Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Uma sociedade de velhos

por Luís Naves, em 19.02.18

Cada vez ouço mais pessoas da minha geração a dizerem que tentam chegar à idade da reforma sem penalizações e conheço novos casos em que isso se revela difícil. É sem dúvida um dos grandes paradoxos do nosso tempo: menos jovens terão de pagar as pensões de uma geração numerosa e em rápido envelhecimento. A sociedade portuguesa terá uma massa de velhos extremamente empobrecidos e não conseguirá pagar o sistema de segurança social segundo as actuais regras. Por outro lado, não nos permitem prolongar a carreira contributiva (o que devia ser deixado ao critério de cada um, com as devidas compensações) e não nos deixam sequer concluir a carreira, o que implicará cortes drásticos nas reformas ou impostos insustentáveis. Aos 50 anos, um trabalhador é considerado dispensável, isto aplica-se a todas as áreas: políticos, académicos ou artistas de 60 anos estão ultrapassados, apesar de estarem no topo das suas capacidades. Nas empresas, os mais antigos são os primeiros na lista de despedimento; em todas as actividades, os mais experientes são os primeiros a ser esquecidos. O problema da segurança social estará provavelmente resolvido, mas de que vão viver os velhos pobres? Não conseguem poupar nem concluir a carreira contributiva, terão pensões miseráveis e ninguém os quererá empregar em idade avançada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:07




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras