Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Era impensável

por Luís Naves, em 05.12.15

Se estivesse em 1915 a imaginar o mundo do século seguinte, teria provavelmente uma perspectiva pessimista do futuro. Em 1915, as pessoas morriam cedo, em média com pouco mais de 40 anos: a mortalidade infantil atingia valores astronómicos, as mulheres morriam de parto e eram raros os casais que não perdiam filhos ou os velhos que passavam de 65 anos, geralmente com problemas que tornavam o prolongamento dessas vida num inferno de dor, sofrimento e pobreza.

Havia tempo para ler e amar e talvez se possa dizer que as pessoas eram mais felizes, mas encontramos muitos relatos estranhos desse tempo: os jornais estão cheios de cenas de pancadaria e notícias de crimes passionais. O mundo rural era violento, as pessoas viviam com dificuldade e trabalhavam muito, por pouco dinheiro e sem rede social. Não havia apoios à velhice nem medicina gratuita; os poderosos tinham mais direitos e os pobres obedeciam. Temos tendência para mitificar a vida quotidiana do passado e a nossa imagem de 1915 vem dos relatos de uma burguesia com privilégios, que vivia em certo conforto luminoso e protegido. As classes baixas, sobretudo os camponeses, tinham uma existência de pouco alimento e muita doença. As suas vidas eram curtas e as oportunidades raras. Nas décadas anteriores, a emigração permitira a abundância dos “brasileiros”, mas por cada aventureiro que fez fortuna, morreram dezenas, de febres e fome.

Em 1915 havia uma guerra mundial cujos efeitos devastadores tinham sido previstos por alguns visionários e futuristas: sonhava-se com máquinas voadoras e houve os primeiros bombardeamentos aéreos; o mundo entrara na era do aço, na modernidade industrial a sério, com produção em massa e nações em armas, exércitos de milhões e guerras tridimensionais. Eram impensáveis as ideologias totalitárias, mas o primeiro grande genocídio foi nesse ano. Foi também o ano da relatividade, mas era impensável a luta mortal entre impérios que iria durar até 1989. Eram certamente impensáveis o Holocausto e a bomba atómica, o computador e os antibióticos, os aviões a jacto e o módulo lunar.

publicado às 01:03




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras