Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A minha vez

por Luís Naves, em 15.12.14

Ao passar duas horas no centro de emprego, vi os sinais da melancolia e do conformismo que alguns pensadores julgam ser a natureza mais profunda do povo português. A senhora que meteu conversa comigo contou-me que muitos desempregados preferiam receber de uma vez o dinheiro a que tinham direito, para abrirem um negócio. Ela sonhava em abrir uma tasca ali numa boa avenida da cidade. Não mencionei as minhas dúvidas nem lhe disse que as tascas da minha rua fecharam todas. Ela continuou a falar do seu sonho, mas não explicou o que eu já adivinhara, que não lhe restava muito dinheiro para receber, apenas mais alguns meses, a um valor diário que não dava para uma refeição normal. Mostrou-me os papéis. No ecrã da televisão, os números avançavam devagar e as pessoas mantinham-se nos lugares, como acontece nos aeroportos à espera dos voos atrasados, sem manifestações de impaciência, excepto no caso de um homem que entrou a falar alto, headphones ao pescoço, aspecto de já andar pela quinta dimensão. A senhora que meteu conversa aproveitou para me dizer que os números andavam devagar por eles serem “psicólogos”. Quem? Os que nos atendiam, respondeu. Eram psicólogos por ouvirem as pessoas. A senha dela estava a dois números do objectivo, mas aquilo ia “engasgar”, disse, sem fatalismo.

Na sala, havia o ruído de conversas em voz baixa, até certa serenidade, à excepção do homem dos headphones, que acabou por sair, a ralhar com o mundo. Lembrei-me de alguém ter dito que este povo é demasiado manso, mas ali não valia a pena fazer barulho. Qualquer perturbação só iria atrasar o avanço dos números, adiando a esperança de quem aguardava a vez. No painel electrónico prosseguia o passo lento das senhas, por vezes engasgando-se a sua boa ordem, mas ninguém se importava muito com a demora num número: cada pessoa na sala esperava também isso para si, que houvesse alguém, por uma vez, a escutar os seus problemas.

publicado às 19:27


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Um Jeito Manso a 15.12.2014 às 23:52

Este seu texto impressiona, incomoda, dói.

(Vou comentá-lo também no Delito.)

Imagem de perfil

De Luís Naves a 16.12.2014 às 10:43

agradeço muito este comentário
Sem imagem de perfil

De Angela a 16.12.2014 às 16:40

É isto, sim. Este desalento silencioso e de olhos fixos nos ecrãs.
Imagem de perfil

De João Távora a 16.12.2014 às 18:58

A tristeza às vezes é bela.

Abraço.

Comentar post




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras