Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A crise da Imprensa

por Luís Naves, em 11.12.15

A crise dos jornais tem uma explicação habitual, a tese da tempestade perfeita, que juntou globalização, custos salariais elevados e perda de leitores e de receitas de publicidade. E, no entanto, isto não explica o fenómeno da morte dos jornais. Nos últimos vinte anos, as redacções deixaram sair os seus intelectuais e perderam metade dos jornalistas, tornaram-se locais onde se trabalha por rotina, com chefias burocráticas, inflexíveis, muito politizadas e dependentes. Perdeu-se a camaradagem e as diferenças salariais são escandalosas. Isto dá origem a produtos previsíveis, que pouco adiantam à vida das pessoas.

No seu longo declínio de vinte anos, os jornais perderam sobretudo a criatividade. Eles transformaram-se em simples retratos do tempo, em vez de interpretações. Encontramos páginas e páginas com pequena intriga, não há rasgo, acredita-se ainda que o estilo pedante e sentimental é o correcto para as reportagens.

Ao longo de uma geração, os jornais perderam progressivamente a crónica e a narrativa e dedicaram-se ainda mais à notícia e à opinião, dois tipos de texto que a globalização banalizou, com a agravante dos jornais tradicionais recusarem assumir as suas tendências políticas. Ao deixarem sair os jornalistas mais experientes e de melhor qualidade, os jornais perderam memória e perderam independência, condenaram-se à morte lenta, dando de bandeja a sociedade a meios gratuitos que têm sustentação económica oposta. No processo, os intelectuais desapareceram da paisagem e a própria palavra ganhou toque de ironia. É por isso que o país não tem debates nem circulação de ideias, por isso papagueamos banalidades em mau inglês e dependemos cada vez mais das interpretações que outras nações e culturas fazem do mundo.

publicado às 12:16


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Jodi a 11.12.2015 às 15:42

Excelente artigo. Este é, na realidade, o retrato da nossa "vendida" comunicação social. Em "papel" , na internet e na TV.
Imagem de perfil

De alphy a 11.12.2015 às 20:18

Admito e concordo com o citado comentário, pois não sendo eu deste Ramo, acredito que se o mesmo fosse "operado" com apoio e que este permitisse a divulgação de muitas realidades que se encontram obscuras no ceio do nosso Pais, então sim que a "Musica" seria outra, pois eu tenho algo que poderia interessar, ou seja a criar um tema que poderá ser de interesse para quem tenha intenção de o divulgar.
Pois as como citadas Câmaras Municipais, são as que mais beneficiam com o que assim se pode chamar "Caos" Politico e dai vir a beneficiar, isto sendo que permitem acessos a Projectos ilegais etc, pois para fins lucrativos.
Naturalmente que me refiro em especial á C.M. de Palmela, esta que, e por sua vez permite, neste caso em sentido "CONTRARIO" a violação do assim chamado "PDM" a fim de favorecer explorações que, e segundo o meu parecer nem para o efeito Contributos/Impostos pagam.~
Agradeço que alguém tencione avançar, pois favoreço todos os dados necessários para o efeito.
Luis Rodrigues

Comentar post




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras