Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Velhas fotografias (outra versão)

por Luís Naves, em 16.08.13

Memórias são velhas fotografias
sépia pálido e formas indecisas
Anos seguem-se a meses e a dias
Histórias desfazem-se, imprecisas.

 

Pouco sei destes rostos desconhecidos
Dos devaneios difusos e perdidos
Do que fizeram, de quem amaram
Das utopias que não restaram.

 

Nas imagens de brilho intenso
A verdade respira na penumbra
O tempo prolonga-se, imenso
E o que perturba também deslumbra.

 

Haleto de prata depositado
Na desordem do postal rasgado
E há o mistério da identidade:
Como eram eles de verdade?

 

Sei que riram e sofreram
Sentiram ódio e amizade
O seu mundo foi o que viveram
Tiveram nostalgia e saudade.

 

Presos em limiares decadentes
Baralham-se recordações de parentes
Resistem na margem do esquecimento
E morrem em papel amarelento.


De mim, quem vier dirá um dia
Que existi como eles também
Não mais do que uma fotografia
A sombra passageira de alguém.

 

O que fomos será um sonho breve
Ligeiro sopro, miragem leve
Parando o que antes fluía
Olhe para a câmara e sorria.

 

(Variação em verso do tema de outro post mais abaixo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:55




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras