Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




(29)

por Luís Naves, em 22.11.18

Uma das marcas das sociedades desenvolvidas é o bom relacionamento do Estado com os seus cidadãos. Em Portugal, essa relação sempre teve graves problemas e os cidadãos são tratados como potenciais facínoras ou como débeis mentais que deviam agradecer a generosa protecção das autoridades. O Estado presume que está a lidar com pessoas desonestas: se alguém reclama, é certamente um malandro; se está a contas com a justiça, alguma maldade terá feito; se pede auxílio e não pertence às óbvias categorias de clientela política, então só pode tratar-se de um caso de abuso. Este sistema não é um falhanço de estado, mas algo que lembra a igreja do passado: omnipresente e omnisciente, metia-se em tudo e tratava de toda a gente, com arrogância e sentido de missão; o país era um convento, olhando para cada membro da congregação como um mortal pecador, a carregar a cruz da confiança cega e da infinita paciência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras