Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




(22)

por Luís Naves, em 13.11.18

O sol cru da tarde fria cobre as fachadas cinzentas e o arvoredo faminto do parque. Nas bancas de livros, os vendedores ambulantes esperam, a comentar se virá chuva. Cada um desenrasca-se como pode: há quem venda livros velhos, há quem tenha um transporte moderno por aplicação, como aquele sujeito que abre a bagageira para receber três jovens com malas, estudantes, observadas distraidamente pelo pedreiro empoleirado, que embeleza uma varanda. Há o barbeiro sem clientela, a mulher da limpeza a seco, numa lojinha apertada de onde sai o vapor de uma fumarola vulcânica. Sinais contraditórios, que certo prédio esquisito resume: confina com o buraco da construção ao lado e está seguro por estacas horizontais de ferro que o ligam à parede seguinte, através do vazio; os andares de cima estão a cair de podres, sem moradores, um andar de baixo foi renovado e brilha num esplendor deslocado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras