Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




(35)

por Luís Naves, em 01.12.18

Não tenho vergonha da História do meu país, mas hoje em dia só se fala de colonialismo, fascismo, escravatura, e é mais ou menos proibido mencionar as palavras descobrimentos ou independência, pois surge a brigada de costumes a rectificar esses perigosos conceitos. O sentimento de culpa em relação à história consegue-se pela menorização das grandes datas, dos maiores feitos e das principais personagens do passado colectivo de um povo, como bem ilustra o Primeiro de Dezembro de 1640, uma revolta aristocrática com apoio popular, que deu origem a uma guerra prolongada e cruel. Sem esse movimento, Portugal seria hoje uma província, mas a data transformou-se numa banalidade e num feriado de consumo, como se a liberdade não tivesse valor e antes fosse uma benesse que nos caiu do céu, com a pequena dose de culpa que acompanha a narrativa contemporânea de que isso das nações é coisa perniciosa, que deve diluir-se na amálgama internacional das identidades anónimas.

publicado às 11:26



Links

Locais Familiares

Alguns blogues anteriores

Boas Leituras