Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Uns com bilhete e os outros...

por Luís Naves, em 11.07.17

Foi na grande crise que começou a queda lenta em que vivemos. Chamem-lhe essa espécie de fim do mundo, quando começámos a perceber que estávamos sufocados e presos à servidão, enquanto crescia o fosso entre os que tinham direito a bilhete e aqueles que não tinham esse direito, como observou o intelectual húngaro Támas Gaspár Miklós, num texto que escreveu sobre a crise migratória, inspirado naquilo que vira numa gare de comboios paralisada, apinhada de refugiados e de passageiros sem transporte, uns mostrando o bilhete, os outros de mão vazia, mas todos a meio da viagem e aparentemente sem destino. O nosso tempo estabeleceu uma divisão entre os que beneficiam das liberdades e os que não lhes têm acesso; entre os que vivem na abundância crescente e aqueles que se afundam na estagnação; entre os que passam fronteiras e os que ficam à porta; entre os que são escutados e os outros, cuja voz é ignorada, com desprezo ou indiferença. A liberdade, a saúde, a justiça e o conhecimento são mais desiguais do que eram. O mundo radicaliza-se. Os mais fortes triunfaram sobre os fracos e as palavras passaram a ter significados restritos, que impedem as discussões. Cresce a intolerância e as discussões são submetidas a um duplo critério que não permite compromissos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01



Mais sobre mim



Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras