Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Supremacia

por Luís Naves, em 02.06.17

Donald Trump decidiu retirar os Estados Unidos do acordo de Paris sobre alterações climáticas e segundo uma das críticas mais comuns, o presidente americano está a abdicar da hegemonia da superpotência e a dar de barato à China a supremacia mundial. As pessoas estiveram mesmo muito distraídas durante a campanha: Trump cumpriu uma das promessas centrais que fez aos americanos e esta administração será isolacionista, ou seja, o presidente quer mesmo reduzir a exposição do seu país aos assuntos globais, escolhendo apenas as lutas que lhe interessam e não entrando em todas. Isto é uma estratégia, não é um efeito secundário. Um dos maiores problemas dos impérios do passado foi a sobre-extensão, ou seja, o envolvimento em demasiados conflitos ao mesmo tempo, com a respectiva dispersão de recursos e constante aumento dos custos imperiais.

Provavelmente, Trump ponderou uma divisão de tarefas com a Rússia, mas este prolongamento de Ialta é hoje politicamente impossível, pois os democratas no Congresso entram em histeria em tudo o que envolva Moscovo, o que certamente terá efeitos para além desta administração. É preciso reler O Choque de Civilizações, de Samuel Huntington. A China não está interessada em ter um papel global e os europeus parecem ter entrado em pânico com os primeiros sinais do novo isolacionismo, que foi uma das tendências da política americana, embora raramente dominante na Casa Branca. A saída do acordo de Paris é um erro e deve ser criticada pelo efeito desastroso que pode ter nas alterações climáticas e na segurança de centenas de milhões de pessoas vítimas de secas e tempestades. A América arrisca-se a perder a liderança no abandono da economia do carbono, mas isso não é inevitável. As promessas de Trump foram no sentido de aumentar o isolamento dos EUA, reduzir a extensão imperial e manter alianças suficientes para garantir a supremacia. É por isso que, ao mesmo tempo que abandona acordos multilaterais, a Casa Branca reforça o investimento nas forças armadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:16



Mais sobre mim



Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras