Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Na minha cabeça

por Luís Naves, em 12.11.14

A respiração fria que vem da parede. A casa está em silêncio, as gatas dormem, aninhadas uma na outra. Lá fora, brilha um sol boreal. No corredor sombrio, a máscara africana interroga-me, com os seus olhos de espanto. O quadro a óleo podia ser uma pequena janela na parede da sala: mostra a sugestão da tempestade, de vento gelado, depois o fio de neve, os ramos descarnados da árvore. O piano perdeu a cobertura do teclado. Era um cachecol de tecido macio, que foi talvez arrastado por uma corrente de ar e ficou pelo chão, numa linha contorcida. Pode ter sido algum fantasma a soprar, fazendo deslizar o pano. De súbito, parece-me que escuto uma melodia qualquer de Bach, uma canção antiga, cansada e bela. Dura algum tempo, depois reaparece, depois ecoa estranhamente e o tempo também desliza.

Não, afinal não estava a ouvir. Era só um piano imaginário, aqui na minha cabeça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10



Mais sobre mim


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras