Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cidades literárias

por Luís Naves, em 12.02.15

Há cidades mais literárias, locais que despertam a fantasia e que parecem palpitar como corações subitamente arrancados a corpos indefesos, num desvario sem fôlego. Lisboa é literária, como Nova Iorque, Praga, Paris ou Budapeste. Mas estes casos são raros. Não apetece muito inventar histórias passadas em Genebra ou Bruxelas. Talvez as pedras e as comunidades tenham também uma espécie de alma, à maneira das pessoas; talvez tenham um ciclo de existência (de nascimento, crescimento e decadência), mas ser ser exactamente vida, tal como a definimos; talvez sintam e pensem, porventura devíamos perceber a sua respiração.  Há cidades onde é mais fácil imaginar a vasta circulação humana. Suponho que nesses locais exista uma estrutura corpórea que desliza e se transforma, num ciclo muito lento de marés. A imaginação liga-se mais facilmente à poderosa magia desses seres imensos, as cidades com identidade forte, na realidade tão poderosa que as próprias pessoas sentem o rumor que as distingue.

 

Baseado no excerto de um post antigo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02



Mais sobre mim



Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras