Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A inutilidade da fanfarronice

por Luís Naves, em 01.09.16

Para um pequeno país, a ideia de hostilizar a União Europeia é uma fanfarronice, mas começa a ser aceite em Portugal, não apenas pelas elites mediáticas que ocupam jornais e redes sociais. A UE não obtém qualquer vantagem da pobreza nacional, no entanto a esquerda continua a repetir que as políticas impostas por Bruxelas visam o nosso empobrecimento propositado.

O que querem de facto os europeus? Querem um Portugal mais próspero e estável que não precise de ajuda, que possa comprar os seus produtos e produzir algo em troca. Isso será possível quando o país fizer as reformas que lhe permitam ser mais competitivo e ter contas equilibradas a médio prazo. Sem isto, teremos constante falta de dinheiro, desequilíbrio externo crónico e dívida galopante. Financiar o Estado social será impossível e, mais tarde ou mais cedo, o país ficará sem acesso aos mercados e precisará de novo resgate

Na discussão pública, a narrativa dominante é outra: os neo-liberais ascenderam ao poder na Europa e seguem uma cartilha de castigo cruel a todos os países e povos que se recusem a aceitar as tais políticas de empobrecimento acelerado. Esta ideia é martelada continuamente, ignorando factos contraditórios: os socialistas estão no poder em França e Itália, partilham o poder em coligações na Alemanha, Áustria. Holanda, Finlândia, Suécia e Luxemburgo, entre outros. Reúnem os votos suficientes para travar qualquer política na zona euro que lhes desagrade, pelo que a ideia de que a Europa é dominada por neo-liberais é simplesmente falsa. No Parlamento Europeu, na Comissão e no Conselho Europeu (o órgão decisivo) domina o consenso centrista entre democratas-cristãos e social-democratas, um pouco à imagem do governo alemão, que é efectivamente um Bloco Central.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:36



Mais sobre mim


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras