Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A grande transformação

por Luís Naves, em 24.04.14

O 25 de Abril começou por ser um golpe militar e transformou-se depressa numa revolução. As consequências imediatas foram o fim do império e da guerra colonial, o estabelecimento do multipartidarismo e da liberdade de imprensa. A estabilização do novo regime e as lutas sociais que surgiram de imediato deram origem a outros importantes resultados, nomeadamente o início de negociações para a adesão à comunidade europeia e a radical transformação da sociedade, com a normalização de direitos das mulheres, por exemplo, maior igualdade e uma visão muito mais liberal sobre a situação das minorias.
Portugal fez em 40 anos aquilo que outros países fizeram num século. Em 1974, a taxa de analfabetismo era superior a 25%, agora é de 5%; o número de alunos no ensino secundário passou de 68 mil para 480 mil. Em 1974, apenas metade das residências tinha água canalizada, agora são mais de 99%. A esperança de vida à nascença aumentou dez anos e a mortalidade infantil baixou de 38 para 3,4 (por mil crianças com menos de um ano). Em 1974, um terço da população activa trabalhava na agricultura; agora, a proporção é inferior a 10%. O nosso PIB per capita duplicou em termos reais.


No entanto, é curioso verificar que os discursos oficiais estão centrados em visões de uma revolução que de alguma forma fracassou. Fala-se em ‘valores de Abril’ sem explicar quais são e a narrativa mais frequente apresenta o 25 de Abril como um movimento de massas que pretendia construir uma sociedade utópica de tipo não capitalista e não-alinhada. A adesão europeia que a estabilização do regime permitiu é inteiramente ignorada, apesar de ter representado uma ajuda externa da ordem de 3% do PIB em média anual durante três décadas.
Os mitos populistas são poderosos, repetidos por uma comunicação social pouco crítica. A triunfante visão estreita da revolução é ainda mais surpreendente quando surgem os donos do 25 de Abril a afirmar que este falhou também na democracia e na redução das desigualdades. Portugal é hoje um país desenvolvido, com um multipartidarismo que poucos contestam, onde as instituições funcionam e existe inteira liberdade de expressão, com exemplar tolerância nos costumes. A classe média domina completamente a sociedade portuguesa e as desigualdades que persistem, sendo grandes, já nada têm a ver com as que existiam há 40 anos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:39



Mais sobre mim


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras