Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A aldeia adormecida

por Luís Naves, em 25.02.15

As pessoas adormecem sem explicação e há certa controvérsia sobre o seu estado: estarão a dormir ou terão perdidos os sentidos? Não estando em coma, pairam mais próximos do sono, e qualquer pessoa entende a diferença. Os cientistas estão perplexos com o caso desta pequena aldeia no Cazaquistão e procuram as causas do estranho mal. Talvez seja uma psicose colectiva, talvez o efeito de algum gás proveniente de uma mina abandonada, ninguém sabe ao certo. Parece aleatório e atinge pessoas da aldeia e forasteiros, não escolhe idades e não se encontram indícios de contaminação da comida, dos solos ou da atmosfera.

A história dava um bom filme de mistério e talvez um dia seja usada pelo cinema. Por vezes, a realidade imita as mais elaboradas fantasias e ocorre-nos a lenda da Bela Adormecida, que deriva de histórias antigas, porventura medievais, recolhidas mais tarde por vários autores. A recolha mais antiga, de Giambattista Basile, do início do século XVII, pode ser encontrada aqui, em inglês, e tem pouco a ver com a delicadeza e pudor que costumamos encontrar nas histórias infantis. Existe a versão posterior e mais famosa do francês Charles Perrault, também do século XVII, que por sua vez inspirou o filme da Disney, de 1959, aliás o primeiro filme que vi no cinema. Era mesmo muito pequeno e não sei se compreendi a história da Bela Adormecida, mas ficou na minha memória a ideia do deslumbramento, a impressão da cor e o poder da imaginação.

Aquilo era pura fantasia, mas hoje, ao ler esta história dos camponeses que adormecem, alguma coisa muito antiga se quebrou, como se a realidade interrompesse uma longa efabulação. De súbito, ocorreu-me a possibilidade da imaginação popular não ser assim tão abstracta. Por um instante, pensei que a Bela Adormecida talvez se inspirasse num episódio semelhante ao do Cazaquistão, tão subtil e raro que ilude a ciência. O único elemento comum a todas as versões é que as vítimas não parecem mortas nem estão em coma, mas dormem durante muito tempo e não acordam. Assim, deixando de propor algo de impossível, a lenda não seria invenção total, mas apenas o resultado de uma observação mal compreendida e perturbadora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:21



Mais sobre mim



Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras