Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Navegações

por Luís Naves, em 24.12.13

Ana Cristina Leonardo, em Meditação na Pastelaria, oferece aos seus leitores este belo presente de Natal. A autora não esclarece se é conto ou fragmento de novela, mas estamos perante um exemplo soberbo da melhor tradição literária. Como leitor, o meu obrigado.
Por falar em tradição literária, leia-se este notável conto húngaro (infelizmente, apenas a versão inglesa do texto). Notem a diferença de estilos, o tom brutal e directo de Szilárd Borbély, cuja prosa é menos lírica e deambulante do que no caso da autora portuguesa.
O texto húngaro tem evidente intenção política e está ligado a outro conto clássico, de Miklós Mészoly, sobre ratos, tornado famoso pela alegoria anti-ditatorial, à época muito atrevida.
Nunca percebi a razão de haver tão poucos especialistas em conto na nossa literatura (tirando alguns excelentes, como Rodrigues Miguéis, Miguel Torga, Urbano Tavares Rodrigues, Cardoso Pires ou Mário de Carvalho). Como se vê no exemplo acima, há quem escreva ao nível do melhor que se faz em países onde existe o gosto e a tradição da história curta.

 

Por falar em literatura (e em conto), uma ligação ao blogue de Manuel Jorge Marmelo, escritor que muito admiro.
Também ao blogue de Rui Ângelo Araújo, Os Canhões de Navarone, onde são frequentes os textos de alta qualidade.


E, finalmente, este texto sobre uma biblioteca e o amor à literatura, por Francisco Seixas da Costa, em Duas ou Três Coisas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:36


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Francisco Seixas da Costa a 24.12.2013 às 17:29

Muito obrigado pela referência. Um Bom Natal para si e um excelente 2014 para todos nós.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 29.12.2013 às 20:02

Um excelente 2014
Sem imagem de perfil

De AEfetivamente a 31.12.2013 às 16:53

Eu sou fã de "short stories". Combinam bem com o meu tempo, interior e exterior. Em Portugal, gosto muito de Manuel da Fonseca, tem contos tão bonitos, serenos e que estão longe das nossas rotinas. De resto, é como diz. Não é uma arte menor, nem de perto.

Comentar post



Mais sobre mim



Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras