Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O estilo da galinha cega

por Luís Naves, em 29.10.13

Cruzei-me uma vez com Daniel Oliveira e, depois de ler este texto e respectivo link, gostaria de não me voltar a cruzar com ele. Quem escreve uma coisa destas não pode ser boa pessoa. O texto sobre um amigo meu, Francisco Almeida Leite, não passa de uma pequena intriga política inserida numa operação de contornos sinistros e que visa a destruição de uma pessoa. Essa operação está a ser executada com requintes de malvadez.

Daniel Oliveira usa o método da insinuação torpe e da acusação cobarde, omitindo factos relevantes, dizendo meias-verdades torcidas, soprando murmúrios manipulados. O que mais irrita é a beata superioridade moral. Dou um exemplo: a carreira de jornalista de Francisco Almeida Leite (quase 20 anos) é resumida com a expressão “monumentais fretes jornalísticos”, algo que é impossível de verificar. O método de destruição de carácter é obsceno, pois se alguém surgir a dizer que se trata de mentira, nunca sabemos quais os textos contendo fretes a que se referia o autor.

 

Oliveira tem falado muitas vezes em nome do jornalismo impoluto, embora não se lhe conheça obra jornalística autêntica, no plano da reportagem ou da notícia. Devia ser a última pessoa a falar do princípio de Peter. Sei que debita comentários e opiniões sobre política, repetindo a mesma lengalenga, semana atrás de semana. Ocasionalmente, a realidade coincide com o que escreve, mas o facto é que a galinha cega, por vezes, também consegue apanhar a semente.

Em Oliveira, irrita este debicar frenético de jornalista veterano. Sou pessoalmente brindado com um link para um artigo que não conhecia e no qual consta o meu nome. Sendo pessoa honesta, disposta a pagar o preço da honestidade, a condescendência de Oliveira incomodou-me de forma extraordinária. Não me revejo na técnica facínora de elencar nomes de alegados maus profissionais e depois acrescentar que alguns deles são excepções, mas sem dizer quais. Lança-se lama sobre uma dúzia para depois acrescentar que há uns limpinhos, mas nunca sabemos quem são esses.

Recuso o paternalismo do comentador e opinador Daniel Oliveira, que não costuma ter contraditório, certamente por medo das suas respostas trogloditas, em jornal de grande tiragem. O autor não é mais do que um político de extrema-esquerda que se faz passar por jornalista competente. Quanto a mim, estive em três guerras e escrevi mais de 4 mil artigos de jornal. Sei um pouco da minha profissão para conseguir distinguir um charlatão e fala-barato.

Por isto, não aceito a chazada de Daniel Oliveira e recuso os seus métodos. Sei que não se deve responder a um pseudo-intelectual que se pavoneia em programas cómicos, mas não gosto de tipos armados em delatores e que fazem da hipocrisia um estilo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:54


5 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Moreira de Sá a 29.10.2013 às 17:40

Clap, clap, clap!
Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 29.10.2013 às 20:45

Por obra e graça do Novo Grande Encoberto, Daniel ganhou agora um novo fulgor. Não há coincidências.
Imagem de perfil

De Daniel Oliveira a 30.10.2013 às 11:24

Foi assessor de Miguel Relvas, não foi? É que essa é a informação disponível que, lendo o seu texto, só pode estar errada. É que sabendo muitos jornalistas, comentadores e pseudo-intelectuais a que se dedicaram os assessores d Relvas naquele gabinete é com todo o gosto que recebo "chazadas" sobre ética. Lata não lhe falta.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 30.10.2013 às 12:33

O senhor tem toda a razão. Tinha-me esquecido desse pequeno detalhe biográfico. Isso muda inteiramente o debate: o seu texto é irrepreensível, sem falhas éticas. Sou eu a falha ética e mereço inteiramente a sua denúncia em coluna bem paga de jornal de grande audiência. Afinal, vivo às custas do Estado, recolhendo o meu generoso subsídio de desemprego. A lista de malfeitores em que me incluiu afecta a minha reputação e a minha busca activa de emprego, mas isso está certo. Trata-se de justiça poética, pois espalhei o mal e cometi graves crimes ao trabalhar para um governo de centro-direita. Fez muito bem em denunciar as minhas malfeitorias e deve recusar a crítica injusta que lhe fiz. Era só lata.
Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 30.10.2013 às 18:58

Estive a rever o último Eixo do Mal e o Daniel não esteve assim tão mal quanto ao global relativo ao Regresso do Regresso de Sócrates. É a Clara que, com aquela cassete do PEC IV, cega completamente, impregnada de valupis e mitomanias. Emendo, portanto, parcialmente a mão.

Comentar post



Mais sobre mim


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Links

Alguns blogues anteriores

Locais Familiares

Boas Leituras